Como Manter a Saúde Mental do seu Pet

Os animais de estimação são companheiros, fazem bem à saúde e são aliados na manutenção da nossa sanidade. Mas cães e gatos também sofrem de ansiedade, depressão e estresse.

Esses distúrbios podem ser desencadeados por fatores relacionados aos hábitos do animal, como falta de estímulos e padrões de caminhada ou genética. Estudos mostram que até o dia a dia de um tutor tem impacto e aumenta o nível de estresse das pessoas com pelos.

O Dia Mundial da Saúde Mental é comemorado em 10 de outubro e os cuidados estendem-se aos animais de estimação.

Para evitar comportamentos desviantes e problemas físicos, os responsáveis ​​devem investir em medidas de saúde e segurança dos animais. Nathalia Fleming, veterinária e gerente de produto da Unidade Animais de Estimação Ceva, enumera 9 dicas:

> Construa um hábito positivo: agende horários para fazer atividades com seu animal de estimação, como brincar ou ensinar uma pequena brincadeira por exemplo. Essa é uma oportunidade de fortalecer o vínculo e será ótimo para a saúde mental do animal.

> Enriquecimento ambiental: O enriquecimento ambiental é muito importante para os animais. No caso dos cães, os donos podem esconder lanches pela casa, e seu olfato será estimulado ao tentarem encontrar comida. Existem brinquedos inteligentes no mercado que mantêm os animais de estimação entretidos. Para gatos, scratchers e ervilhas são itens prioritários. Outra opção é instalar prateleiras na parede, pois gostam de subir e ficam mais confortáveis ​​em espaços altos.

> Saiba mais sobre o comportamento dos animais de estimação: Cães e gatos têm necessidades e hábitos diferentes. Enquanto os gatos podem dormir por horas, os cães podem ser ativos por longos períodos de tempo. Por isso é importante que o tutor entenda e conheça a personalidade do pet e esteja atento a mudanças de comportamento.

> Estimule a independência do pet: É importante que o animal consiga ficar alguns períodos longe do tutor de forma confortável. Para isso, é indicado treiná-lo para esses momentos. O tutor pode, por exemplo, ir para um cômodo, deixando o cão no restante da casa. Assim, o animal começa a ter contato com alguns graus de separação e entenderá que ficar separado do tutor por alguns instantes faz parte da rotina. Os gatos tendem a ser mais independentes, mas é importante que os donos também mostrem aos gatos que esses tempos de separação duram pouco.

> Tente dar menos tempo ao seu animal de estimação: Os animais, especialmente os cães, são muito sociáveis ​​por natureza. Portanto, longos períodos de tempo sozinho podem ser um desafio. Uma alternativa é considerar a colocação do animal em uma creche especializada ou encontrar alguém para cuidar do animal enquanto o responsável estiver ausente.

> Invista em Brinquedos: Os brinquedos inteligentes são grandes aliados para entreter os cães quando estão sozinhos. No caso dos felinos, arranhadores e bolinhas são indispensáveis. É importante também que o tutor estabeleça o momento para brincar com o animal, já que essa interação é ótima oportunidade de estreitar laços e trazer estímulos positivo.

> Socialização e passeio para os cães: cães gostam de interagir com pessoas diferentes e outros animais. Assim, passeios ao ar livre permitem que o animal gaste energia e contribuem para a manutenção do bemestar.
Atenção a alterações na rotina dos felinos: oscilações na rotina, chegada da novos membros na família ou mudanças ambientais —como a reorganização dos móveis e alterações nas disposições dos objetos utilizados pelos pets— podem aumentar os níveis de estresse dos felinos. O processo deve ser feito de forma gradual para garantir o conforto do gato.

> Procure ajuda profissional: Os responsáveis ​​devem procurar orientação de um veterinário caso identifiquem alterações no comportamento do animal, como letargia, perda de apetite, desinteresse pelas atividades rotineiras, distúrbios do sono, vocalização excessiva ou arranhões na posição errada, entre outros sinais. O especialista poderá avaliar a história do animal e determinar a causa do problema, orientando sobre como tratar o animal.

Compartilhe este post:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Este blog utiliza cookies para garantir uma melhor experiência. Se você continuar assumiremos que você está satisfeito com ele.