Vale Mesmo a Pena Pagar o INSS?

Com as incertezas levantadas pela reforma da previdência de 2019 e a elevação da dívida pública depois da pandemia, muitos começaram a se questionar sobre a validade em se pagar o chamado Carnê do INSS.

Apesar desta contribuição ser facultativa apenas aos profissionais liberais e autônomos, a discussão é válida para que todos entendam o tamanho do benefício que os contribuintes possuem.

Não me prenderei a todos os detalhes para tentar focar no entendimento do que é mais provável que o beneficiário se utilize.

Quando se fala em INSS, muitos pensam apenas em aposentadoria por tempo de contribuição ou idade. No entanto, os benefícios vão além destes: aposentadoria por invalidez, auxíliodoença, pensão por morte, saláriomaternidade, dentre outros.

Como mencionei, refinarei minha análise e me concentrarei apenas nos benefícios para idosos e invalidez.

Farei todos os cálculos com base no salário mínimo atual de R$ 1.100,00, mas o mesmo raciocínio se aplica para as faixas superiores, apenas calculando a alíquota.

Imagine um profissional independente questionando a validade de um pagamento. Pense nele com 35 anos e como ele é um homem tem que se aposentar antes dos 65.

Neste caso, pagará mensalmente, durante 30 anos, a Guia denominada Previdência Social (GPS). A contribuição é de 20% do salário. Portanto, ele tem que pagar R$ 220 por mês ao INSS.

Primeiramente, eu avaliaria em que condições R$ 220,00 por mês seriam suficientes para uma renda de R$ 1.100,00 na aposentadoria, se esse dinheiro fosse destinado a aplicação financeira.

Assim, considere que o contribuinte opta por manter esse valor em um investimento que tem um retorno sobre a inflação, equivalente a 3% ao ano no imposto de renda líquido. Este é o rendimento atual dos títulos públicos federais de referência do IPCA de 30 anos.

Ao final de 30 anos de investimento, este trabalhador autônomo terá acumulado um total de R$ 127,3 mil em valor presente. Lembre-se de que o cálculo é feito apenas com a taxa de juros real.

A grande dúvida é: Com esse valor, quantos anos ele consegue ter uma renda equivalente a um salário mínimo?

Considerando o lucro líquido e de fato 3% ao ano, o montante de R$ 127,3 mil seria suficiente para cobrir um lucro de R$ 1,1 mil em 12 anos.

Então, considerando apenas as pensões dos idosos, o INSS parece interessante.

Mas a questão da aposentadoria por invalidez também deve ser considerada. Nesse caso, considere a mesma pessoa do exemplo.

Suponha que ele queira comprar deficiência acidental e deficiência funcional devido a doença. Considere que depois de ativar o seguro, ele quer ter um salário mínimo por 40 anos.

Nesse caso, ele terá que pagar um seguro que custa em torno de R$ 40 por mês.

Observe que este serviço já está incluso no valor do INSS.

Assim, se você considerar apenas este benefício, o valor remanescente a título de contribuição para a sua aposentadoria pessoal será ainda menor.

Para responder à questão central, vale a pena pagar INSS. E percebi que havia considerado apenas dois dos benefícios.

Agora, entretanto, chegamos a outra questão fundamental.

Se o INSS tem tantas vantagens, como se fecha a conta?

É claro que este modelo não é viável e terá que ser revisto no futuro. A incerteza, portanto, está no modelo que você seguirá na aposentadoria.

Compartilhe este post:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Este blog utiliza cookies para garantir uma melhor experiência. Se você continuar assumiremos que você está satisfeito com ele.